O Ano Europeu | por favor clica aqui

____________________________________________________________________________

Perguntas & Respostas

O Ano Europeu

O que é um Ano Europeu?
O ano europeu é um instrumento da União Europeia decidido e partilhado pelos seus 27 Estados-Membros, através do qual, todos os anos (ou de dois em dois anos), se dedica a atenção a um tema específico, importante, para os cidadãos europeus e os seus países. Durante esse período de tempo, o assunto escolhido, é colocado no centro das preocupações das instituições europeias e dos governos nacionais, que juntos, criam uma campanha de sensibilização, na qual se organiza um conjunto de iniciativas.

Para que serve um Ano Europeu?

Os anos europeus são uma forma de chamar a atenção sobre temas que dizem respeito a todos os cidadãos europeus e aos seus países. São uma ferramenta criada pela UE para divulgar informação sobre o assunto seleccionado, partilhar e discutir ideias, criar mudanças de atitudes e agir para melhorar a vida dos cidadãos. Os anos europeus são, também, uma maneira de aproximar os países entre si, bem como promover a ideia de União.

Quem decide qual é o tema para o Ano Europeu?

Desde 2003, os anos europeus são escolhidos, em conjunto, entre o Parlamento Europeu, a Comissão Europeia e o Conselho da UE.

O Ano Europeu existe há muito tempo?

Os anos europeus existem há já 25 anos, desde 1983, mas continuam a ser uma ferramenta da UE inovadora, para tratar temas importantes e que têm a ver com o nosso dia-a-dia.

_______________________________________________________________________________

Indústrias Criativas e Culturais | por favor clica aqui

___________________________________________________________________

Perguntas & Respostas

Indústrias Criativas e Culturais

O que são as indústrias criativas?
Na Europa, o termo indústrias criativas surgiu no Reino Unido, no final da década de noventa do século XX, com a criação de uma equipa de especialistas que tinha por objectivo promover estas indústrias como motores da economia. Estas indústrias remetem para todas as actividades económicas que incluem a criação, a produção, a distribuição, a disseminação e a promoção nas áreas da publicidade, da arte, do artesanato, do design, da moda, do cinema e do vídeo, da música, dos concertos e espectáculos, da edição de livros, dos jogos de computador, da rádio e da televisão. A criatividade é central no processo de produção destas actividades.

O que são as indústrias culturais?
As indústrias culturais são um conjunto de actividades económicas que aliam a concepção, a criação e a produção à capacidade de manufactura e de comercialização em massa. Estas actividades englobam a edição de livros, revistas, jornais e música, bem como todo o sector audiovisual e a Internet.

para aumentar clica na imagem

Qual a importância destas indústrias para a economia?
As indústrias criativas e culturais são já um importante sector da economia europeia, e possuem um enorme potencial para o emprego e para a exportação.
Estima-se que mais de 4,9 milhões de europeus trabalhem neste sector. Em 2003, estas indústrias contribuíram, com mais de 654 milhões de euros, para o Produto Interno Bruto da UE. Prevê-se que estes valores aumentem, cada vez mais, nos próximos anos.

___________________________________________________________________

Capitais Europeias da Cultura | por favor clica aqui

___________________________________________________________________

Perguntas & Respostas

Capitais Europeias da Cultura

O que são as Capitais Europeias da Cultura?

As Capitais Europeias da Cultura são uma iniciativa da União Europeia através da qual, todos os anos, se designa uma ou mais cidades como Capitais da Cultura. Durante um ano, as cidades escolhidas têm a oportunidade de se darem a conhecer a todo o resto da Europa, assim como a sua cultura.

Esta iniciativa existe há muito tempo?

Esta iniciativa existe há já 25 anos, desde 1985, e tem sofrido alterações na forma como é implementada. Inicialmente, estabeleceu-se a selecção de uma só cidade europeia por ano que era designada como Cidade Europeia da Cultura. Em 1990, o Conselho de Ministros decidiu alargar esta iniciativa a outros países que não pertencessem à UE, desde que estes respeitassem os princípios da democracia e da liberdade. Em 1999, por decisão conjunta do Conselho de Ministros e do Parlamento Europeu, esta iniciativa passou a ser designada como hoje a conhecemos: Capital Europeia da Cultura.

Para que serve esta iniciativa?

As Capitais Europeias da Cultura são uma forma de aproximar os cidadãos da União Europeia entre si, e cidadãos de outros países ligados à Europa. As cidades escolhidas programam um conjunto de eventos, criam infra-estruturas e embelezam-se, tornando-se um ponto atractivo para o Turismo. Para além de divulgar as cidades seleccionadas, esta iniciativa permite mostrar o seu desenvolvimento cultural, promover a troca de ideias, de perspectivas, e divulgar a sua oferta artística.

___________________________________________________________________

Nanotecnologia | por favor clica aqui

___________________________________________________________________

Perguntas & Respostas

Nanotecnologia

O que é a nanotecnologia e para que serve?

A nanociência e a nanotecnologia remetem para o estudo e o aperfeiçoamento da observação dos materiais a escalas atómicas, moleculares e macromoleculares, onde as propriedades diferem de forma significativa em relação a escalas maiores.
A nanotecnologia permite aprofundar o nosso conhecimento sobre os fenómenos a uma escala atómica, que permite desenvolver materiais e dispositivos com propriedades, funções e desempenhos específicos e novos. Existem já, no mercado, vários produtos baseados na nanotecnologia. Os seus avanços podem contribuir, por exemplo, para o crescimento, a competitividade, o desenvolvimento sustentável, a saúde pública, o emprego, a sociedade da informação, a indústria, a inovação, o ambiente, a energia, os transportes, ou a segurança.

Qual a importâncias deste tipo de tecnologia para a economia europeia?

As nanotecnologias são tecnologias presentes em todos os sectores da actividade humana, e têm repercussões consideráveis. Poderão contribuir para a solução de numerosos problemas que se colocam na sociedade actual. Apresentam, também, uma nova vantagem concorrencial para a indústria e a economia europeia, criando novos postos de trabalho. Segundo os analistas, o mercado mundial das nanotecnologias poderá representar até 2015, entre 150 a 2 000 biliões de euros, com a criação, até 2014, de 10 milhões de novos empregos, o que corresponde a 10 % do total de empregos nas indústrias produtivas no mundo. Na Europa, podem ainda contribuir, directamente, para se atingir os objectivos definidos pela Estratégia de Lisboa, no que diz respeito à competitividade europeia.

Quais as vantagens das nanotecnologias para a sociedade e os consumidores?

Espera-se que a utilização das nanotecnologias traga benefícios no dia-a-dia dos consumidores, por exemplo, através da criação de novos produtos e aplicações na área da saúde ou do ambiente. Actualmente, estão já, em curso a criação e o aperfeiçoamento de materiais como instrumentos terapêuticos e de diagnóstico médico. O sector têxtil e os electrodomésticos também estão a evoluir graças às nanotecnologias.

Porque é que as nanotecnologias podem ajudar o ambiente?

Estas tecnologias podem favorecer uma utilização mais sustentável dos recursos naturais, através de sistemas específicos de transformação e produção, que implicam um uso mais eficaz da energia e das matérias primas. Graças às nanotecnologias, poderemos fazer uso, no futuro, de produtos menos nocivos para o ambiente, bem como, reparar alguns dos danos causados pela poluição, contribuindo para atenuar as alterações climáticas.
___________________________________________________________________

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.